sexta-feira, 13 de julho de 2018

A fuga para a montanha da alma


No SENHOR confio; como dizeis à minha alma: Fugi para a vossa montanha como pássaro?
Pois eis que os ímpios armam o arco, põem as flechas na corda, para com elas atirarem, às escuras, aos retos de coração.
Se forem destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo?
O Senhor está no seu santo templo, o trono do Senhor está nos céus; os seus olhos estão atentos, e as suas pálpebras provam os filhos dos homens.
O Senhor prova o justo; porém ao ímpio e ao que ama a violência odeia a sua alma.
Sobre os ímpios fará chover laços, fogo, enxofre e vento tempestuoso; isto será a porção do seu copo.
Porque o Senhor é justo, e ama a justiça; o seu rosto olha para os retos.

Salmos 11:1-7




               A fuga para a montanha simboliza a fuga da alma para os braços do Criador, para o reino da luz. O reino do Criador é sempre ligado a montanha. Nossa consciência está sempre em fuga por causa das forças da morte que agem no Umbral e sempre cercam nossa alma ou Nefesh.


                 Quem medita profundamente conhece estas forças do oculto que agem no Umbral e cercam o eleito. Nossa alma sempre busca refúgio na montanha e montanha simboliza a Sephiroth com seus 9 degraus até chegar a coroa, que é o décimo degrau, o topo.


                  Fugir para a montanha é uma fuga dos nossos eus negativos em busca da luz. No passado os inimigos do salmista eram humanos e hoje são Shedim ou demônios que trabalham para o caos sempre cercando os justos.


                  Por outro lado também temos inimigos físicos, magos negros que canalizados ou incorporados tentam nos destruir com suas magias. Eles às vezes nem nos conhecem, mas os Shedim incorporam neles e pede os rituais para nos cercar ou nos destruir.


                  Existe uma guerra constante entre a luz e a escuridão e muitos têm tombado neste confronto, mas os que tombam pela causa da luz vão ressuscitar com poder e glória na décima montanha ou décima Sephira, a Kether, o trono da Sephiroth.




                     Este salmo reflete o confronto contra as forças do caos e da morte.




                       Quem estuda Cabala de forma esotérica nem imagina isso, mas quem a conhece profundamente sabe que existe um confronto entre a luz e as trevas descrito no manuscrito essênio da guerra dos filhos da luz contra os filhos das trevas.



                    O que ocorre é que os anjos caídos, os filhos da escuridão, querem controlar o planeta.



                 Nós em breve entraremos na era aquariana e os filhos do caos terão uma janela de 7 anos para controlar o planeta. É por isso que eles usam todos os artifícios para controlar a verdade e destruir os eleitos.



                Quem conhece a Cabala sabe que existe a Sephiroth draconiana, a Sephiroth negativa onde demônios terríveis controlam e destroem a espécie humana com poderes sobrenaturais.




                  Mas não temas, continue meditando que tu escaparás da escuridão que virá para tentar os que habitam sobre a terra. Só os que estiverem no Eterno escaparão, o mundo caminha para uma dor profunda, para o ciclo do Anti Messias ou Anticristo e só os que estiverem na luz do Eterno não serão destruídos. Por isso vale à pena caminhar nesta senda rumo a Coroa, a Kether da Sephiroth.  

saiba mais destes segredos meditando e conhecendo o divino

https://www.amazon.com.br/dp/B01LY4JCBJ

domingo, 8 de julho de 2018

A energia quântica ligando mundos e dimensões


A Cabala acredita na ligação da terra com outros mundos do universo. A Sephiroth tem vários significados e um deles é a ligação entre os mundos paralelos.




                   A nossa volta flutua a energia que cria e move os mundos. Os hebreus chamam esta energia de Ruach, os japoneses de ki, os chineses de chi e os indianos de Prana. Na verdade Ruach é uma energia poderosa irradiada dos planos etéricos que pode ser materializada pelo Ruach Kodesh, o espírito do Eterno.




                Esta energia foi usada na criação primordial dos mundos, por isso temos os 5 mundos da Cabala.






Atziluth
Briah
Yetzirah
Assiah



                        Tudo gira em torno do masculino e do feminino.
                        O universo é criado por estas duas forças, é o código binário da ciência e o solve e coagula da alquimia. Estamos diante do Yin e Yang dos orientais. O oriente há séculos já conhecia a existência destas duas forças. Tudo vem destas energias cósmicas poderosas.
                        Cada átomo, cada célula no universo foi criada pela junção destas duas forças.





                        Na verdade tudo é criado primeiro em Atziluth, o mundo da emanação. Neste estágio os acontecimentos estão ainda na mente do Criador. Depois o  projeto do Criador passar para o nível de Briah, criação, é quando os anjos começam a moldar o sonho divino.


                       Após o nível da luz angelical o projeto do Criador vem para perto da terra nos níveis etéricos em torno do nosso mundo, é o mundo de Yetzirah, quando a idéia ganha forma e neste estágio da idéia se torna Yin ou taça e Yang ou espada.



                      É no ponto de Yetzirah, no mundo da formação que tudo começa a acontecer para só depois chegar a Assiah, o mundo da ação ou mundo físico.



                   Por isso tudo o que existe na terra veio deste mundo primordial em que a energia flutua e controla tudo. O mal que existe na terra veio da energia do caos e o bem veio da luz.


                O Prana dos indianos que gostamos de chamar de Ruach é uma energia primordial neutra que pode ser usada pelo bem ou pelo mal.



                 Quando o Ruach Kadosh manipula esta energia surgem mundos e dimensões, da mesma forma quando as forças do caos manipulam esta energia pelo lado da mão esquerda surgem mundos e dimensões do caos também.



               A nossa volta flutuam energias estruturais do universo, são micro partículas invisíveis a olho nu, mas com o poder de bilhões de bombas atômicas. Foi a energia descoberta por Nicolas Tezla que ia revolucionar a ciência, mas a elite illuminati impediu que ele revelasse este grande segredo ao mundo.



                Podemos chamar esta energia de energia quântica e ela é o combustível que os aliens usam para viajar no espaço cósmico. Anjos e dragões também usam a mesma energia para se movimentar no cosmos.



                    Quando meditamos estamos usando esta energia, moldando e trabalhando ela, por isso a meditação é muito poderosa.




                   Ao trabalharmos esta energia podemos usar a telepatia para isso, o pensamento consciente, foco, ou usar a voz neste caso a meditação usando o verbo divino.




                  Aprenda neste capítulo a usar o verbo divino para moldar e manipular esta energia quântica.





                   Na meditação Devekut você não usa as palavras, usa apenas a mente, a força do pensamento, já na meditação usando o verbo divino você usa a palavra que é sagrada em todas as religiões e em todas as formas de magia.




                        A meditação usando o verbo, usando a laringe criadora, o vórtice de energia sobre a laringe que comanda as glândulas do corpo humano situadas na garganta tem um impacto poderoso sobre nossa alma.


                       Na cultura indiana eles chamam de mantras a repetição de palavras usando a voz, na Cabala é a meditação do verbo divino. Os cabalistas usam expressões sagradas e nomes divinos nesta meditação.
                       A meditação usando a voz é proativa e atua sobre a terra e sobre o cosmos. O verbo divino é sagrado e o uso dele tem influencia na harmonia do universo contribuindo para trazer a luz sobre o planeta, sobre toda a humanidade, a natureza e especialmente sobre a vida do que medita e de sua família.
                  O verbo divino pronunciado na meditação faz o corpo entrar em vibração integrando a alma com o corpo físico e com esta ponte passando energia para o sistema glandular humano. As glândulas têm grande influência no ser humano e esta meditação atua sobre elas por vibração, impactando o nível mais profundo das células, a cadeia dos átomos e com isso se irradiando sobre todo o corpo.

                            Vamos ensinar uma meditação usando o verbo divino, poderíamos usar várias palavras, mas hoje vamos usar o Zmam Olamot.
                           Esta expressão significa usar o corpo em adoração ao Pai para entrar nos mundos paralelos. Olamot são mundos paralelos ao físico, os jardins secretos da Cabala.
                          Sente em silêncio num lugar isolado que pode ser teu quarto desde que feche a porta e ninguém te incomode. Respire calmamente, o mais calmo possível.
                           Puxe o ar pelo nariz e solte pela boca.
                           Mantenha os olhos fechados e repita o processo até ficar bem calmo e bem relaxado.
                           Quando tua mente tiver serena inspire o ar pelo nariz e solte pela boca, muito calmamente. Quando soltar o ar pronuncie a expressão ZMAM OLAMOT.
                            Pronuncie usando a voz, ao contrário da meditação Devekut que só usa a mente, o pensamento.
                            Repita esta expressão muito calmamente quando soltar o ar, quantas vezes for possível.
                            Tu começarás a ter visão neste processo e mais ainda durante a noite, sonhos e outras experiências espirituais. Durante o dia tua vidência do mundo oculto vai aumentar e a noite mais ainda.
                           Repetindo este processo 10 minutos por dia tu vais entrar em ligação com o verbo divino. Pode mudar o verbo divino, num dia pode usar Kadosh Hashem e em outro Eloheno Melech Ha Olam. O importante é continuar a praticar a meditação e use um caderno para marcar as experiências que tu tiveres, pois com o tempo elas serão muitas.
                         É muito importante registrar num caderno e procurar ajuda de um Rosh para teu crescimento espiritual, aprendendo com teu despertar interior, mas o Rosh vai te mostrar o significado da linguagem do mundo astral.



                       Esta meditação usando o verbo divino vai trabalhar esta energia quântica do universo e tu irás acumular poder se tornando um guerreiro do Criador dos mundos e dimensões.


                Através do som, do verbo divino, tua voz constrói mundos, altera elementos, modifica a estrutura dos universos.



                 O som focalizado no Eterno gera a luz circundante. Esta luz eleva tua consciência rumo ao trono divino, a Kether da Sephiroth. Ela constrói portais entre mundos e dimensões.



medite e conheça mais mistérios com esta obra:

https://www.amazon.com.br/dp/B01LY4JCBJ

sábado, 7 de julho de 2018

A oração de Efraim


Efraim era filho de José junto com Manassés seu irmão. Os dois nasceram no Egito, eram filhos do exílio. Com o tempo Efraim deixou muitos descendentes que se tornou uma tribo poderosa e chefiou o reino do norte com capital em Samaria, quando Israel se dividiu após a morte de Salomão.






              A destruição de Samaria há 2.700 anos levou Efraim e as demais tribos para o exílio.  Uma raiz importante desta tribo foi encontrada no Afeganistão, Caxemira, Paquistão e Índia e eles vão voltar na hora certa.


             Este capítulo mostra a oração de Efraim no exílio e também se estende as demais tribos das quais  Efraim é a tribo cabeça. 







As gotas de crepúsculo transtornam minha alma
me torna vazio...



me fazem sucumbir nesta solidão


estou só e morro...





Já tive mil mulheres ( alegoria de religiões do exílio )
mas nenhuma me tirou desta solidão
deste vazio tétrico




minha solidão é diferente
é algo bravio
algo que renasce no longo inverno



volta sempre e me deixa calado

desejo então a morte


anseio que o teto do céu desabe sobre mim



corro, grito, mas o silêncio persiste...




corro, mas não posso fugir deste vazio
grito, mas o silêncio persiste
me incomoda





Salto e acabo caindo sempre
no mesmo buraco
neste vazio sem fim que me corrompe a alma...




luto, mas não consigo vencer a mim mesmo
mesmo que vença milhares de inimigos
em mim só persiste o vazio e a derrota



meu canto é angustiante e frio





ouço vozes me chamar
são gritos de espanto
sinfonias vorazes da solidão





estou morrendo
o sangue já não corre em mim
só este frio que me embriaga de tédio




do que adianta lutar
se o crepúsculo sempre volta
para matar minha alma?



rejeitaste Israel teu povo
agora estamos só
e o vazio nos devora...



estamos dispersos por todas as terras
em todos os lugares nosso vazio
corrompe os caminhos
as alamedas frias
e as casas que se tornaram nossas sepulturas...





o delírio do inferno nos sucumbe
vento frio esmaga nossa alma




já não tenho mais luz
sou como um peixe fora da água
sem minha cidade Jerusalém
sem minha terra Israel




o mundo para mim é um vasto cemitério....







estou jogado nesta escuridão
as vezes a noite ainda oro
mas a solidão devora
cada uma de minhas palavras






quando minhas pálpebras se cerram
e adormeço
então me lembro dos tempos antigos
de luz
na terra de Israel
mas quando acordo o vazio me
esmaga



sou apenas um cadáver
sobre a tumba escura do exílio










vem agora e sopra em nossa narinas
nos faz sair da escuridão destas terras estranhas
onde cumprimos nosso castigo
por deixarmos tua Torah




mais do que o retorno para Israel
queremos o retorno de tua luz em nossa alma
pois nossa solidão é mais profunda que o abismo





esperamos por ti
mais do que a terra sedenta espera pela chuva
o silêncio de 2.700 anos pode ser rompido
pelo fio luminoso da tua voz
fala conosco de novo
pois nossa dor nos enlouquece
sobre o frio intenso do exílio...



conheça mais sobre as tribos perdidas de Israel e o retorno delas a terra santa:

O SEGREDO DAS TRIBOS PERDIDAS

sábado, 30 de junho de 2018

O mestre da teleportação escreve sobre viagem no tempo



Escrito por Alan
Líder do Triângulo Dourado

               Meditando esta noite eu procurei entender o processo da teleportação, como os aliens, anjos e dragões conseguem se teleportar de um lugar a outro e até mesmo viajar milhares de anos luz em poucos segundos.




                   Eu entrei no mundo dos 99%, o mundo da Cabala e entendi que tudo é uma questão de energia.


                    Nosso mundo está alinhado para a terceira dimensão, aumentando à energia vital a pessoa passa para o vácuo, para o espaço vazio entre a terceira e a quarta dimensão.



                     No vácuo o tempo é zero, por isso ela pode viajar muitos anos luz em poucos segundos. Quando ela volta para a terceira dimensão viajou no tempo zero, por isso pode ir tão longe e deslocar poucos segundos no tempo terreno.



                  Basta alterarmos nossa energia vital para entrarmos no tempo zero e entrando no vácuo podemos entrar no hiper espaço onde o tempo é elástico e não existem regras do tempo físico limitando. Com isso podemos ir a qualquer lugar sem gastar tempo terreno podendo até mesmo chegar lá no passado, mesmo alguns segundos em condições normais.


                    Eu citei condições normais, pois quando o salto por teleportação tem como objetivo voltar ao passado de forma mais elástica ou então ao futuro, ocorre outra conjunção de forças que depende dos limites estabelecidos pelos guardiões do tempo. 




                    Temos que analisar também que na própria terceira dimensão há mundos paralelos, conhecemos 8 mundos incluindo a terra. Para estes mundos paralelos que não são dimensões paralelas e sim mundos da terceira dimensão ocorre à mesma regra, podemos entrar no hiper espaço e saltar nestes mundos em segundos. 

                    Quando elevamos nossa energia vital removendo a membrana que separa os mundos entramos no vácuo e então podemos saltar ao lugar alvo que desejamos no mundo paralelo.




                    Quanto a dimensões paralelas o assunto  não é tão simples assim, as regras são mais complexas, pois a própria quarta dimensão é uma dimensão que não respeita as regras do tempo e do espaço, pois a quarta dimensão é chamada de espaço tempo.



                      Esta dimensão é formada por mundos que ficam numa linha dimensional diferente. A engenharia sideral seja da luz ou da escuridão pode criar mundos nesta dimensão, chamados de portais induzidos.



                     Estes mundos podem ficar em outros vetores de tempo, ou seja, para o inimigo do saltador achar ele é muito mais difícil, pois o mundo dele não está no tempo presente e sim num tempo diferente. Se ele saltar no espaço determinado, mas num tempo diferente não encontrará o alvo.





                      As regras que citei anteriormente que é a elevação da vibração penetrando no vácuo e saltando para qualquer mundo desta dimensão ou de outra só funcionam com a quarta dimensão se o mundo em questão da quarta dimensão for no presente, pois se for no passado ou no futuro o cálculo é outro.



                     Neste caso é observado um cálculo diferente que segue pistas deixadas no tempo, é algo muito mais complicado.



                      Mas retornando as dimensões mais comuns do presente e os mundos paralelos a teleportação pode acessar  eles mergulhando no vácuo entre  mundos e dimensões. O mesmo ocorre quando o saltador por teleportação deseja viajar dentro do próprio globo terrestre.





                     Digamos que ele quer viajar de São Paulo a  Nova York por teleportação, por meios físicos levaria horas de avião ou dias por transporte rodoviário ou navio, mas por teleportação é uma fração de segundos.



                      A pessoa se teleporta para o vácuo elevando sua vibração e em segundos pode chegar à Nova York saindo de São Paulo, mesmo décimos de segundo.






                         Para elevar nossa vibração temos fixar na mente um lugar alvo e imaginar que estamos saltando para lá pelo vácuo. Continue a meditar visando o lugar dia após dia e o milagre da teleportação ocorrerá.




                       A viagem dos ninjas do passado para o presente pode se tornar possível caso eles não tivessem deixado descendentes, não alterando a malha do destino. Como eles morreram no dia seguinte no tempo deles o destino não foi alterado, por isso os escorpiões conseguiram buscar eles do passado para o nosso tempo.



                          No entanto este fator também é relativo, pois na verdade eles alteram de certa forma o presente quando vem para somar aqui, para agir e alterar o ambiente a partir do presente. Neste caso o futuro já não será o mesmo que seria se eles não tivessem vindo para cá.






                       Um outro universo temporal se forma a partir de qualquer ação deles agindo em nosso ambiente presente.


SAIBA MAIS SOBRE ESTES SEGREDOS PROFUNDOS NA OBRA

https://www.amazon.com.br/dp/B0110PG8J0

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Orifiel, o arcanjo dos selos dos 144.000 eleitos

    Orifiel é o arcanjo da tribo de Levi, ele está ligado ao sacerdócio sagrado de Levi agora manifesto no Messias por seu ato no calvário onde entregou seu próprio corpo e se tornou o sumo sacerdote pela humanidade.





             Orifiel é o arcanjo as 3 cores, dourado, prata e branco. Ele é vestido com uma túnica belíssima nestas 3 cores e no peito usa um peitoral com 12 pedras preciosas cada uma representando uma tribo de Israel.



              O inimigo de Orifiel é Ogdaemon, o pai de todos os rituais malignos, o Leão Marinho. O símbolo do Leão Marinho é a Inglaterra, por isso muitos ritos de magia vieram de lá como a magia de Aleister Crowley da Ordem da Aurora Dourada.



            Ele acreditava ser o sumo sacerdote de Satã na terra por isso escreveu o livro do Diabo. Ele também distorceu a Cabala usando ela para alta magia, para magia poderosa mesmo e com isso hoje ainda muito cabalista pratica magia negra sem saber acreditando que estão invocando anjos, na verdade estão invocando os poderes de Lúcifer.



               Lúcifer caiu com um terço dos anjos e se tornou o Metraton da Cabala, o deus solar, o mesmo Deus Mitra cultuado de forma codificada nas igrejas cristãs que veneram o domingo como sagrado e acreditam no natal que na verdade é o aniversário de Mitra, não de Yeshua.


                A Torah hoje foi pisada, mutilada por eles, na verdade ela permanece pura, mas as igrejas deles a Torah não têm mais lugar, no lugar dela há um amálgama de cultos mitraícos, druídicos e de outras vertentes pagãs, todas que tomaram o lugar do culto deixado por Yeshua, que era culto ao Criador, ao princípio de tudo, não o culto a imagens, ícones ou a três deuses, pois isso veio do paganismo.
                 É incrível como Omitosdaemon, que já existia antes de Lúcifer, conseguiu usar o culto solar, o culto ao anjo caído inserindo ele de forma codificada no ocidente.


                Yeshua o verbo divino sempre pediu adoração ao Pai, ele também respeitou a Torah e disso que veio para segui-la, mas hoje as igrejas dizem que a Torah foi abolida como se a palavra que é Eterna pudesse ser abolida.




              É como se o Criador estivesse brincando quando escreveu os 10 mandamentos e ditou todas as leis a Moisés. Quem lê a bíblia sabe que a boca do Criador ditou a Torah a Moisés, ela não veio do nada nem foi invenção de Moisés ou de outro escriba.


                Infelizmente  Mitra tomou este lugar que pertencia ao Criador e a Torah foi colocada em segundo plano. É claro que Yeshua aboliu o sacrifício de animais, pois ele morreu pela humanidade. Ele também aboliu a lei de Talião quando os fariseus estavam apedrejando a prostituta, pois não poderia haver lei de Talião já que o estado de Israel seria extinto por Roma no ano 70 e sem a justiça do Estado é impossível exercer justiça de apedrejamento ou chicote, pois isso é obra de Israel como nação constituída, uma teocracia, não obra da religião.




                   Orifiel representa a pureza do Sumo Sacerdote. Ele peleja para o sacerdócio de Yeshua ser instalado na terra, o sacerdócio real não com a infiltração de Mitra, por isso ele está separando na terra 144.000  eleitos que são puras, não se contaminaram com o paganismo mitraíco. Estes eleitos vão restaurar a casa de Israel e o sacerdócio real tendo Yeshua como sumo sacerdote.





                  Orifiel é o arcanjo do selo que está separando, preparando e breve  vai selar os 144.000 eleitos, pois sendo puro ele não pode se contaminar com as mentiras da religião de Mitra inserida no ocidente. É por isso que João viu estes 144.000 como Virgens, não contaminados com mulheres, mulheres simbolizam religião distorcida, profanada pelo culto solar.




              Orifiel está separando os eleitos em todo o mundo e quando ocorrer o arrebatamento ou evacuação mundial, logo após Orifiel vai selar os 144.000 e levar eles para um refúgio no Iraque para que entrem no portal do Éden, mas antes terão que travar um combate contra o Dragão que está citado no Apocalipse 12.




               Orifiel comanda os sacerdotes celestiais que preparam a terra para receber o sumo sacerdote, Yeshua e ao mesmo tempo está separando os 144.000.




                  Ogdaemon comanda o selo de Salomão, a alta magia e com esta magia tenta barrar os caminhos dos eleitos do Eterno, por isso não é fácil para o eleito, a dor e a perseguição o acompanharão em seu caminho até ele receber o selo de Orifiel e poder entrar em Sião.



                 Está ocorrendo uma guerra terrível entre a luz e a escuridão  e o desfecho será no Apocalipse quando Orifiel entregar o selo para os 144.000 eleitos, para cada um deles, separando o exército do fim que vai esmagar a serpente e os anjos da alta magia.


saiba mais sobre estes assuntos na obra